Seu navegador está desatualizado!

Atualize o seu navegador para uma melhor visualização do site. Atualizar agora!

X

23º

Caxias do Sul

Aberto até

21h

 

Você é daqueles que quando ouvia a história da Branca de Neve ficava imaginando quanta crueldade aquela menina passava? Que não entendia onde estava a mãe da pobre moça linda de cabelos curtos e negros que não estava ali para protegê-la?

Pois então, imagine agora se a história fosse um pouco mais macabra!

Os irmãos Grimm são conhecidos por suas histórias “quase” trágicas, como a Branca de Neve, A Bela Adormecida, João e Maria, Cinderela, Chapeuzinho Vermelho, Rapunzel, entre tantas outras também publicadas por outros autores. A grande notícia é que agora suas obras saem no Brasil em uma tradução fiel e na versão original, S-E-M cortes, S-E-M censura.

 E você leitor que gosta de uma história infantil, que ouviu muitas quando criança ou que agora gosta de contar elas para os pequenos, se surpreenderá com os novos fatos.

Estão dizendo por aí que quem mandou esquartejar a pobre Branca de Neve não foi sua madrasta e sim, a sua mãe, que além de mandar matá-la, também pediu ao caçador: “Para provar que cumpriu minhas ordens, traga-me seu pulmão e seu fígado, que eu vou cozinhar no sal e comer”.

Agora, a fofoca do momento é sobre a Rapunzel, há rumores de que a meiga e inocente garota de longas tranças de inocente não tinha nada, a rapariga engravidou do príncipe já em sua primeira escalada na torre, detalhe, de gêmeos. Olha hem, essas meninas de hoje em dia!

Mas agora você vai ficar chocado pelo resto da sua vida, se não quiser ficar traumatizado nem continua lendo esse post, para por aqui.

Como sei que você é curioso, então lá vai, te prepara: Chapeuzinho Vermelho e sua Vovó, não tiverem final feliz, N-Ã-O. Elas foram devoradas e pronto, simples e cruel desta forma.

As histórias foram adaptadas por longos anos por conterem narrativas inadequadas de violência e de sexo.

Então nos perguntamos se isso tornaria os leitores brasileiros mais violentos ou menos delinquentes e menos frustrados?  

Deixe o seu comentário